O programa Conceito dessa semana veio para trazer à tona uma polêmica! Se você é um audiovizueiro que faz foto ou vídeo sabe muito bem o que é o ISO, mas e se nós dissermos que o ISO é, na verdade, um termo desatualizado e que chega até a ser fake? É isso mesmo! O termo ISO é ultrapassado e nós vamos te contar o porquê!


Assim como a ABNT não é só o formato em que você deveria escrever os seus trabalhos acadêmicos, e sim a Associação Brasileira de Normas Técnicas, entidade que regula vários padrões nacionais, a sigla ISO não é só uma função da sua câmera. Pois é, trata-se da International Standard Organization, basicamente uma ABNT internacional que regulamenta uma série de padronizações de tudo quanto é tipo. Isso significa que uma empresa que diz ter o certificado ISO 9000 está falando do mesmo ISO da sua câmera! 

Essa categorização, inclusive, começou na fotografia lá nos anos 40, quando a ASA (American Standards Association – a ABNT americana) criou um padrão numérico para indicar a sensibilidade à luz dos filmes 35mm. Então, se você aprendeu a fotografar ouvindo o termo ASA para se referir a luminosidade dos filmes saiba que isso, também, é uma sigla de outra organização de padronização. Nos Anos 70 a ISO só internacionalizou esse padrão – que não mudou desde então. 

Se, na verdade, o nome “ISO” tem muito mais a ver com padrões e, se ele se referia à densidade do filme usado, será que ainda faz sentido usar esse termo para as câmeras atuais com sensores digitais? E vamos além: se o ISO é controlado via software, por que não temos ISO menor que 100 para favorecer longas exposições ou takes onde temos muita luz e precisamos de um filtro ND para nos ajudar a expor corretamente?

Contem pra gente aqui nos comentários se vocês já tinham pensado nisso e se vocês já tinham se ligado dessas associações!